A rede incrvel mesmo. Um jogo de proximidade e distncia que reflete a vida como uma luta constante entre o imaginrio e o real.

Depois do meu ltimo post, recebi vrias mensagens de pessoas que no conheo pessoalmente, de outras que conheo e esto muito distantes fisicamente, mas prximas afetivamente, e de algumas outras poucas, prximas fisicamente, mas nem to prximas assim afetivamente.

Da maioria das pessoas prximas fsicamente, que so “to amigas”, no recebi nem um telefonema…Fiquei meio amargurado com a falta de ateno, mas s vezes nos achamos mesmo muito importantes, quando na realidade no somos nada. Cobramos a partir dessa sensao de importncia no correspondida…vamos trabalhando para nos colocar na nossa insignificncia, e aceit-la.

Somos mesmo incorrigveis. Descuidamos de quem est prximo, brigamos com quem mais amamos…s vezes, no sempre, o contato vem de longe justamente por no haver possibilidade de contato. Toco mas me protejo na distncia. As vezes, o contrrio. O contato no vem do mais prximo por estar sempre em contato. “ele sabe que estou aqui”…sabemos? Nem sempre. Difcil acertar os ponteiros.

Li hoje na Trip, na coluna do ex-presidirio Luiz Mendes: “a vida a fora que se move para alm da imaginao, encaminhando-nos para a realidade”. Pois , parece mas ser que isso mesmo?

Certeza que tudo est por um fio e temos que deixar pra l, desfazer os ns, aceitar e ir em frente.

to longe, to perto…to perto, to longe