Leituras…

H muito tempo que no falo de leituras aqui. Nesses ltimos meses li alguns livros que podem ser de interesse para os (poucos) leitores desse Carnet. No vou falar de livros acadmicos, mas de literatura: fico, romances e novelas. No fundo isso que importa, a literatura, o resto o resto… ;-))

Acabei recentemente “Uma Margem Distante”, de Caryl Phillips, ganhador do prmio Commonwealth de 2004. O livro tem uma narrativa que prende o leitor pelos detalhes e pela atmosfera construda. A histria cheia de “flashbacks” mostrando o cruzamento da vida de um imigrante africano e de uma musicista inglesa, doente e reclusa em uma pequena cidade da Inglaterra. As duas histrias se cruzam nessa pequena cidade e doena e racismo constituem essa “margem distante”. Foi uma grata surpresa e um nome a lembrar. O livro foi publicado pela Record em 2006.

Li tambm, mas no gostei muito, do livro da francesa Cline Curiol, “Voz sem sada”, sobre um relacionamento impossvel e sempre incompleto entre a narradora em um namorado de uma amiga. A narradora nos envolve nessa impossibilidade mas a histria e a fora narrativa se perdem ao longo da obra. Foi publicado pela Nova Fronteira.

Um dos melhores que li esse ano “A luz do dia” de Graham Swift, pela Cia das Letras (2006). Escrita direta e telegrfica sem abrir mo da profundidade, o autor ingls conta um dia em Londres de uma caada de um detetive particular a um homem acusado de adultrio pela mulher que o contrata. A histria gira em torno da suposta traio, da relao entre a mulher e o detetive, da amante imigrante e de um assassinato. Muito bom e muito melhor, na minha opinio, do que o bom ‘ltimos pedidos” do mesmo autor.

Recomendo fortemente o excelente “A marca humana” de Philip Roth (Cia das Letras, 2000) sobre um professor universitrio negro, que se esconde como branco em sua confusa cor de pele, acusado de racismo e assdio. Ao sair da universidade ele perde a mulher logo depois e se relaciona com um escritor, vizinho, narrador da histria. O livro mostra os meandros da sociedade americana atual com frieza e perspiccia. Muito bom como todos do Philip Roth.

O que mais me tocou nessas ltimas leituras foi a novela “A fera da selva” de Henry James, pela Rocco, 1997. O livro sobre uma relao que depois de anos vai se reestruturar, e se desmanchar, a partir de um segredo compartilhado e no lembrado por uma das partes…Na relao reconstruda depois de muitos anos, aparecem perguntas sem respostas, situao confusas e obscuras. No entanto, tudo se resolve no fim…Muito bom, curto e direto como um soco no estmago…li em duas horas…

Por ltimo, tambm devorado em algumas horas, Sneca, em “Sobre a brevidade da vida” (LP&M, 2006), para colocar um pouco de estoicismo na vida e pensar no tempo que perdemos com coisas inteis mas trabalhosas…No romance, mas cartas escritas pelo filsofo que falam sobre a importncia da vida vivida em sua plenitude, mesmo com toda a dureza, rigor e disciplina dos esticos…

E vamos adiante j que no temos tempo a perder…a no ser com o cio criativo!