GPS, Google Phone e Geoweb

GPS, Google Phone e GeoWeb

Os boatos continuam sobre o telefone celular da Google, cuja caracterstica maior seria, segudo o post Google Phone with GPS, a localizao e o mapeamento do usurio por satlite. Segundo o post, “The specs Google has come up with suggests that manufacturers include digital camera, built-in Wi-Fi, support 3G, and include GPS. If youve been following my commentary youll know that location-based services are key to Googles revenue growth by earning higher CPMs. I dont think theyd consider a phone without GPS”.

Isso remete discusso que estamos travando nesse blog e em alguns artigos sobre as mdias locativas e as prticas de mobilidade contemporneas mesclando territorializaes e desterritorializaes por territrios informacionais.

O post do Pasta&Vinegar destaca uma matria do ltimo encarte de tecnologia da The Economist sobre esse fenmeno, ressaltando os processos territorializantes como anotaes a localizaes e socializao dessas anotaes, assim como monitoramento de percursos onde “o mapa verdadeiramente um pequeno portal da prpria vida”:

“At the same time, the incorporation of satellite-positioning technology into mobile phones and cars could open the floodgates. When it is available, simply moving about ones neighbourhood can then be tantamount to browsing and generating content without doing anything, as demonstrated by a company called Socialight. Its service lets mobile users attach notes to any location, to be read by others who come along later. Taken further, the result could end up being a sort of extrasensory information awareness, annotation and analysis capability in the real world. “When that happens”, says Mr Jones, “then the map is actually a little portal on to life itself.” The only thing that can hold it back, he believes, is the rate at which society can adapt.”

A disseminao dessas prticas vo necessariamente redefinir o lugar, o espao, os processos de localizao e de espacializao, assim como a identidade j que toda cartografia pode e deve ser pensada como uma prtica significante tanto da localizao quanto da identidade. A espacializao, ensina Lefebvre, vai alm da esttica noo de nomear um espao, j que se trata de uma complexa integrao das particularidades fsicas e as atividades de um lugar, com as ansiedades, medos, desejos e outros aspectos subjetivos a envolvidos. Assim, o espao sempre social (em oposio viso apenas matemtica do espao euclidiano) e o espao est sempre em um constante processo de produo pelas prticas sociais (De Certeau, Lefebvre).

O interesse em estudar mdias locativas, cibercultura, comunicao e processos sociais aliados aos espaos da cidade se situa, justamente, na dinmica de sua produo social: como as tecnologias digitais mveis agem nesse processo? quais formas de espacializao esto surgindo como mapeamento, localizaes, anotaes, realidade aumentada…? que formatos e processos miditicos emergem a? como essa espacializao se converte em apropriao social do espao? Tentemos responder essas questes a mdio e longo prazo!