BlockChalk – Twitter Urbano?

Devemos pensar os projetos com mdias locativas a partir dos seus modos de medio. Defendi essa hiptese em recente texto enviado Comps (texto indito e ainda em anlise). Reproduzo aqui um pequeno trecho para o que me interessa nesse post:

“Modo designa a forma, a maneira como algo se relaciona com o mundo, as formas de interao e comunicao. Pelo modo podemos identificar como determinado conjunto de tecnologias se relaciona com o lugar e como os agentes humanos e no humanos criam processos de significao . Os diferentes modos de mediao nos fornecem possibilidades investigativas sobre os processos de espacializao em jogo. Mediao o dilogo ou a ao entre os diversos atores onde no h causalidade facilmente identificvel. Ela se d de acordo com os modos, ou seja, ela uma ao a partir da maneira pela qual se d o processamento, a troca, o consumo e a produo infocomunicacional local entre os atores. Com as mdias locativas, a espacializao se d pelos modos de mediao, pelas formas de ao entre agentes (humanos, artefatos, lugares) a fim de oferecer servios (navegao, localizao, etiquetagem, mapeamento, redes sociais, jogo, acesso, etc.). A mediao deve ser vista aqui como entendimento da ao dos agentes interferindo na percepo e uso do espao e na ressignificao do mesmo. Os modos de mediao implicam em formas materiais especficas e abertas entre os sujeitos (humanos e artefatos). a relao (social e moral) que da emerge que produz o espao. Para o estudo das mdias locativas propomos pensar seis modos de mediao. So eles os modos de escuta (sonoro); de escrita (textual); de visibilidade (mapeamento); ldico (jogo); de acesso (conexo) e; de sociabilidade (rede social). Um projeto com mdia locativa tem vrios modos. Por exemplo, projetos de anotaes eletrnicas como Yellow Arrow ou GPS Drawing privilegia o modo de escrita. Sonic City , Buenos Aires Sonora e Montreal Sound convocam o modo de escuta. Neighbornode , Peuplade , Barcelona Accessible colocam em ao o modo de visibilidade. Redes sociais mveis como Imity , Dodgeball e Citysense funcionam sob o modo de sociabilidade. Nos jogos Geocaching ou Uncle Roy All Around You o modo ldico que se sobressai. Em reas de acesso Wi-Fi o modo de acesso evidente. Em todos os projetos, um ou outro modo de mediao locativo tambm estar em jogo.(…)”.

Post do The Pop-Up City mostra uma nova aplicao, BlockChalk, que se encaixa no que chamo de modos de mediao locativos de escrita e sociabilidade (ver acima). A ferramenta a ser usada em smatphones permite que as pessoas escrevam sobre lugares que frequentam (dicas, sugestes, queixas, avisos, etc) e essas informaes ficam disponveis para outros (seja para uma pessoa especfica, seja para qualquer pessoa que use o sistema e passe pelo local). Usando GPS para a localizao, BlockChalk, serve como uma ferramenta de escrita e leitura eletrnicas sobre o seu bairro/cidade (da as palavras “Block” e “Chalk”) permitindo um maior engajamento social, cultural, cvico com o lugar. Vejam a descrio do BlockChalk no The Pop-Up City:

“BlockChalk is a new locative media tool made by former Delicious people Stephen Hood and Dave Baggeroer. BlockChalk is available for different smartphones and meant, according to its makers, to be the voice of your neighborhood. BlockChalk essentially enables us to correspond with strangers that are close-by. The GPS-based app enables users to leave notes, or chalks, about whats going on at a certain location. Users can then reply to other users chalks.”

O post do The Pop Up City, faz uma interessante comparao com o “Notificator”, rob que oferecia o servio de mensagens pblicas de pessoa para pessoa em Londres (ver foto abaixo). Segundo post do Boing Boing, o Notificator de 1935 e o blog compara o dispositivo ao Twitter.

E embora esse “LBS (location-based service)” fale de “vizinhana”, certamente ele pode se tornar uma verdadeira plataforma para conversao no espao urbano, como uma especie de “twitter hiperlocal”. O sistema mostra mensagens por proximidade a partir de coordenadas de localizao do GPS e no por diviso administrativa dos bairros. Assim, ele pode se tornar uma plataforma de conversao sobre o espao pblico expandido. O autor do post do The Pop-Up City diz que h j interessantes interaes em NY e Los Angeles.

“Although BlockChalk pretends to be a neighborhood app, the whole idea essentially has nothing to do with neighborhoods. To the contrary, if BlockChalk is to become a huge communication platform (which as always depends on a critical mass of users), it will be used to redefine the neighborhood from a static into a flexible concept. (…) BlockChalk will open doors for location-based communication within certain interest groups as well as for very temporary messages and calls such as Who can help starting my car?.

Vejam vdeo explicativo:

BlockChalk: The Voice of Your Neighborhood from BlockChalk on Vimeo.