Mobilidade Urbana no Brasil

 

mobilidade_urbana_boll_brasil_site

Para quem está no Rio (infelizmente não poderei comparecer) tem o lançamento do livro Mobilidade Urbana no Brasil. Colabora com o capítulo “Cidades smart, cidades vigiadas”. O livro é organizado por Marilene de Paula e BARTELT, Dawid D. Bartelt e foi publicado pela Fundação Heinrich Böll. Uma versão digital estará disponível no site no futuro.

Lançamento com debate – Mobilidade Urbana no Brasil: Desafios e Alternativas
Quando:
 24/11 – quinta-feira, 14h

Onde: Nex Coworking.Rua Ladeira da Glória, 26, Glória. Rio de Janeiro.

Abertura – Dawid Bartelt – Fundação Heinrich Böll Brasil
Debatedores:
Bárbara Lopes – Arrua Coletivo
Clarisse Linke – ITDP Brasil
José Julio Lima – Universidade Federal do Pará – UFPA – Oficial
Moderação: Henrique Silveira – Casa Fluminense

 

Come and Go

Voltando à Salvador e enfrentando as diferenças (ambientais, culturais, econômicas, científicas…) com cuidado, serenidade e calma. Um ano é um tempo que precisa ser digerido com tranquilidade. Tem um período de luto e de renascimento que é preciso cuidar. Mas já estou na ativa com disciplina na graduação e laboratório de pesquisa em ação. Estava com saudade da sala de aula, dos alunos e dos meus pesquisadores. É bom voltar a falar pelos cotovelos na sala de aula ou nas reuniões de pesquisa!

A insegurança, a baixa qualidade dos produtos no supermercado, a deselegância e falta de educação das pessoas, o trânsito desorganizado, o péssimo transporte público, o barulho constante  e o preço caríssimo das coisas é difícil de se acostumar, mas com o tempo, infelizmente, voltamos a achar que isso é assim mesmo e vamos esquecendo. Já conhecemos isso. Nada vai mudar tão cedo e o melhor a fazer é mesmo tentar se readaptar e não resistir muito, só um pouco ! ;-))

Difícil mesmo está sendo digerir o golpe e o retrocesso político do país, conviver com imbecis, ignorantes políticos e fascistas que perderam a vergonha de tornar explícito a violência da sua estupidez. Difícil está sendo ver de perto o desmonte do país (da saúde, da cultura, da educação, dos diretos trabalhistas, das causas das minorias…) e a inacreditável discussão de pautas retrógradas e burras com questões desprezíveis como por exemplo o “Escola sem Partido”. Em qualquer país sério isso não seria sequer cogitado!

Unknown

Do calor sentia falta, das mazelas sociais não, mas nos acostumamos. A energia positiva das pessoas nos contamina e ajuda. É bom estar de volta para perto dos amigos e da família. Mas está muito difícil mesmo viver e estar imerso nesse estado devastador, incompetente, corrupto e desleal do atual governo. Se já destruíram tanto em tão pouco tempo, tenho até medo de imaginar o que vem pela frente com o golpe parlamentar do impeachment já consumado.

Uma coisa é acompanhar as notícias e as reações das pessoas pelas redes sociais, à distância. Outra é estar de volta, sentindo de perto os acontecimentos.

Mas tirando isso, ainda assim é bom estar de volta. ;-))

#VemPraRua

20130623-222027.jpg

#VemPraRua

O GEC – Grupo de Pesquisa em Educação, Comunicação e Tecnologias (https://blog.ufba.br/gec/) da FACED/UFBA e o Lab404 – Laboratório de Pesquisa em Mídia Digital, Redes e Espaço (http://gpc.andrelemos.info/blog) da FACOM/UFBA convidam para o seminário público “#VemPraRua. Discussão sobre as manifestações populares no Brasil”.

O seminário (aberto e gratuito) será na quinta feira, dia 27/06 as 12:30 na FACED com a participação de:

André Lemos, FACOM,UFBA
Fabio Malini, LABIC, UFES (via Skype)
Malu Fontes, FACOM, UFBA
Messias Bandeira, IHAC, UFBA
Nelson Pretto, FACED, UFBA
Sérgio Amadeu, UFABC (via Skype)

Outros nomes estão sendo confirmados…

É na hora do almoço, logo, não há desculpa para não participar.
Traga seu lanche e vamos conversar sobre esse momento histórico do nosso país.
As intervenções serão rápidas para fomentar a discussão.

Para quem não está em Salvador, o evento será transmitido pela rádio Faced – http://www.radio.faced.ufba.br

Vem pro seminário!

GEC
Lab404

Plano Nacional de Banda Larga

Rápidos drops do Twitter:

Assistindo debate sobre Plano Nacional de Banda Larga de 09/03 – Tv Senado. É, não tenho vida nem nada melhor pra fazer nesse fim de tarde.

Do Br-Linux.org

“O diretor de Serviços e Universalização do Ministério das Comunicações disse que o governo deverá lançar até outubro o plano nacional de banda larga. Segundo ele, a elaboração da proposta está na reta final e envolverá outros ministérios, como o da Saúde, Educação e Meio Ambiente.

“A ideia é massificar o uso da banda larga entre as classes C, D e E”, afirmou, após participar, no Guarujá, do 53º Painel da Associação Brasileira de Telecomunicações (TELEBRASIL). O diretor salientou que mais detalhes serão anunciados pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ministro Hélio Costa, provavelmente no início de outubro. Ele adiantou que a proposta passa pela expansão da infraestrutura da rede e da capacidade de transmissão de dados. Segundo ele, o projeto será desenvolvido com investimentos privados. “O governo poderá investir de forma complementar”, disse. (via tecnologia.ig.com.br)”

Suplicy pede definição de Banda Larga. Interessante. Se falou que 4-6 % da população tem acesso a banda larga, ie. acima de 200 kb. Larga?

Alem disso, aqui a Banda Larga tem menor penetração é mais cara que Chile e Argentina, por exemplo.

Plano é importante e de longo prazo…lento, lento…

Coreia e Japão estão oferecendo 1Gbps…Canada, EUA 20Mb…Estamos bem atrasados na política. Aqui 1Mb para 2014…

Temos que garantir não só largura de banda, preço, inclusão, equilíbrio regional. Deve-se manter tb a “neutralidade da rede”. Nao se fala disso.

Sobre “neutralidade da rede” (“net neutrality”) vejam – http://bit.ly/2xwFeo

“Net Neutrality is the guiding principle that preserves the free and open Internet. Net Neutrality means that Internet service providers may not discriminate between different kinds of content and applications online. It guarantees a level playing field for all Web sites and Internet technologies. Net Neutrality is the reason the Internet has driven economic innovation, democratic participation and free speech online. It protects the consumer’s right to use any equipment, content, application or service without interference from the network provider. With Net Neutrality, the network’s only job is to move data — not to choose which data to privilege with higher quality service.”

Concluindo:

O diagnóstico é que: Estamos atrasados, com serviços caros, concentrados em poucas regiões e estados do país (Rio e principalmente São Paulo), com lentidão e pouca agressividade política para reverter essa situação.

Premissa: Precisamos ser agressivos e garantir uma infraestrutura realmente nacional para fomentar algo que já está na cultura brasileira: a cultura digital.

O princípio de qualquer plano deve ser: Dar acesso universal, equilibrado entre as regiões do país, com qualidade, velocidade, segurança, barato e acessível (ou mesmo gratuito) e, principalmente, deve garantir a liberdade de expressão, o desenvolvimento cultural e a potência comunitária e a total e irrestrita neutralidade da rede. Esse deve ser, ao meu ver, o princípio norteador de qualquer plano nacional de banda larga para o Brasil.