Cellphone in Airplanes

Cellphone in Airplanes

Est hoje em todos os veculos noticiosos a permisso do uso de telefones celulares no espao areo europeu. Vejam matria da BBC Europe clears mobiles on aircraft, para mais detalhes. Trechos:

“The decision means that mobiles could be used once a plane has reached an altitude of 3,000m or more. It follows six months of consultation by the European regulator and the first services could launch next month. (…) The European Commission has introduced new rules to harmonise the technical requirements for the safe in-flight use of mobile phones. The commission is also making it possible to enable the national licences granted to individual airlines by a member state to be recognised throughout the EU. (…)The European Aviation Safety Agency still needs to approve any hardware that would be installed in aircraft to ensure that it did not interfere with other flight systems.”

Bom, o que quero destacar aqui que podemos ver um excelente exemplo de como as tecnologias da mobilidade modificam os espaos de lugar. Aqui, a mobilidade virtual/informacional criada (permisso de uso de telefones celulares) em meio mobilidade fsica (o deslocamento do corpo no avio) criando tenses entre essas mobilidades e a imobilidade mvel (o confinamento nesse espao que se move) que caracteriza o uso do “lugar” avio. No mais o mesmo avio. Novas heterotopias (Foucault).

Podemos antever a modificao do “espao/lugar avio” em vrias frentes: as relaes dos passageiros entre eles, a relao dos passageiros com o mundo l fora, a diviso em temporalidades e espacialidades distintas…Vemos como uma nova mdia (como todas alis) faz com que a viagem, o viajante, e o veculo se modifiquem.



O isolamento obrigatrio nessa carcaa de ao – que leva os passageiros leitura, ao trabalho no laptop, a assistir filmes, a ouvir msica ou a tomar um remdio para dormir, ou tudo isso ao mesmo tempo, j que dificil nos suportar sem fazer nada e ainda mais trancado a 10km de altura – vai se alterar, por abir possibilidades de mobilidade informacional que influenciaro as relaes e as prticas do objeto e da ao de viajar: do que se engaja nesse lugar. Entram em jogo aqui policronias e monocronias, espaos mltiplos e compartilhados que alteraro a experincia, criando novas formas de trabalho e de lazer, e tambm novos conflitos. O uso desse dispositivo tcnico criar um “novo setido de lugar”, um novo “avio” e uma nova experincia da viagem.

Como descreve Latour em um artigo sobre a cancela, o pasto, a ovelha e o pastor (que no me recordo a referncia agora ;-)), no h ator principal, todos so “actantes” exercendo influncias nesse ambiente/sistema. Assim celular, passageiro, pilotos, atendentes, e o mundo l fora, participam desse jogo de influncias, criando um “novo sentido de lugar”. Mais um exemplo de como as tecnologias digitais de comunicao mvel possibilitam aos usurios (aqui passageiros) a fuso de mobilidade fsica e informacional (com produo e emisso de informao) criando novos sentidos dos lugares, dos territrios, das relaes sociais, das prticas comunicacionais…

Vai ficar muito mais difcil ler, ver um vdeo ou simplesmente dormir. No se trata de estar em conexo para uma comunicacional urgente. O que est em jogo a urgncia da comunicao e da conexo, a urgncia em estarmos sempre disponveis…para suprir o vazio e a ausncia, a falta de sentido e a incompletude. Com diz Xavier de Maistre em “Voyage Autour de Ma Chambre” (1794), um dos maiores problemas da humanidade que o homem no sabe ficar sozinho no seu quarto.
E no ficar no seu avio!